sábado, fevereiro 27, 2010

Alice no País das Maravilhas- Walt Disney- 1951

Alice in Wonderland for Walt Disney.


Quando me convidaram pra escrever em um blog sobre animação pensei em vários filmes Cult, em vídeos de música e tinha esquecido o motivo pelo qual eu sou apaixonada por filmes de animação e desenhos animados.

Pode parecer coisa de criança, de intelectual, mas o encantamento com esse gênero vem lá da minha infância quando minha mãe me levava pra assistir os desenhos da Disney no cinema.

 

Alice foi o que mais me encantou.

Eu era pequena, tinha uns sete anos, sei lá, mas logo me identifiquei com aquela menininha que gostava de gatos e de sonhar.

Falar que o filme é um Clássico seria uma enorme redundância. Ele é, e foi um marco dos filmes Disney, já que fugia totalmente dos padrões da época e daquilo que esse Estúdio estava acostumado a fazer.

Deve-se levar em consideração o momento histórico em que essa história foi lançada . O pós-guerra pedia grandes heroínas com certezas absolutas e Alice era só uma menininha comum, sonhadora, com preguiça de estudar .


Ela desperta de sua monótona rotina para um mundo de esquisitices, desencontros, incertezas.

Sua curiosidade foi muito maior que o bom senso e quando vê um coelho branco de coletes correndo cheio de pressa com um relógio na mão, não resiste e segue com ele ao País das Maravilhas onde a Rainha de Copas a todos comanda, onde tudo é ilógico.

É como um sonho lúcido. Tudo aquilo que você deseja está lá, mas não do jeito que queria.

Flores e animais falantes, tão desejados, comportam-se de forma estranha e não a ajudam encontrar o Coelho Branco e mais tarde, a voltar para casa.

Muito pelo contrário, eles dão informações desencontradas, dizem coisas sem sentido e a fazem percorrer a Wonderland mudando de tamanho a toda hora, mudando de caminho, até que ela mesma se esquece de quem é e porque está lá.

O Gato que Ri, ou The Cheshire Cat, parece ser um dos personagens mais gentis com Alice e dá dicas que a fazem chegar ao Jardim da Rainha de Copas e ao Coelho Branco.

Como todo sonho lúcido a história acaba com a Rainha de Copas perseguindo e querendo cortar a cabeça de Alice, que desperta antes que isso aconteça.

Ela acorda e volta para o seu mundo e nos deixa com a sensação de que fomos nós quem sonhamos.

Enfim, é uma história maluca, estranha, bela a seu modo, mas totalmente fora dos padrões melosos da heroína desprotegida à procura de um Príncipe Encantado.

Alice é, como muitos de nós, curiosa, xereta mesmo, sonhadora, mas terrivelmente diferente de tudo o que é esperado dela.

Essa história, quase psicodélica, mostra que ser diferente, estar confuso e cheio de incertezas faz parte da vida dos mais criativos, daqueles que se recusam a viver apenas a rotina dos dias comuns e ousa experimentar o novo.



andrea.gaia




by Copyright © 2009_andrea.gaia All rights reserved








domingo, fevereiro 21, 2010

Os Gatos e os Maus Tratos.

 The Cats and the Abuse




Quem me conhece de velho sabe:
Eu amo Gatos.
Todos. Os meus , os seus, os dos outros e os de ninguém.

Amor, paixão e algo mais que eu não sei descrever.
É assim uma ligação atávica e sem explicação, uma alegria de olhar, felicidade de beijar. Só os loucos por gatos podem imaginar.
Eu gosto de outros animais também, sem dúvida amo a Natureza em geral.
Cresci assistindo documentários sobre a Natureza na TV Cultura, eles foram minha babá.

Então é normal que me sinta atraída por esse tipo de assunto.


Lembro quando a Paula Saldanha apresentava um jornalzinho para nós, crianças da época, irmos aprendendo o que era Ecologia e Responsabilidade Ambiental.
Acho que naquele tempo nem tinham esses nomes, mas valeu!
Aprendi a amar e respeitar a natureza pela TV.
Na escola ninguém falava disso.
Natureza era igual a fazenda, sítio, plantação.
Um horror!
Há quem me critique por dizer que fazenda não é natureza e que não gosto desse tipo de lugar.


Eu sei que o que como e visto vem de lá, eu sei que não tem outro jeito, por enquanto, de produzir sem explorar.
Mas é muito ruim estar em um lugar onde tudo vive para morrer por nós, humanos desgarrados da terra  e muito preocupados com nossas barrigas cheias.
Eu também sou um desses, que vive da exploração animal e vegetal sem equilíbrio, nada natural. Mas gostaria do fundo do coração que isso mudasse e que nós humanos pudéssemos viver de forma equilibrada com o Ecossistema.
Quem sabe um dia?


Mas o que eu queria mesmo falar, é sobre outro tipo de animal.

O de estimação.
Ele nos serve de amigo, de companhia e quando vê está literalmente na rua da amargura.
Sem teto, sem comida. Procriando sem controle e condenando seus filhotes à uma vida curta e muitas vezes dolorosa.

Muitas vezes escuto pessoas dizerem que não gostam de gatos, que eles são falsos e traiçoeiros. Mas NUNCA tiveram um, nem nunca conviveram com um.
É apenas  um preconceito medieval que ligava os gatos às bruxas e as bruxas às mulheres e as mulheres ao demônio, entendeu?
É uma história bem complexa e cheia de razões sociológicas para explicar.






Então hoje, em pleno século 21, ainda há quem mate gato por ruindade, por medo, por ignorância.
Mas há quem envenene os gatos do vizinho porque eles bagunçam o lixo, fazem suas necessidades no jardim.
Poderia reclamar e pedir ao vizinho para castrar e segurar seu animalzinho em casa, mas é mais fácil dar um veneno para ratos ou coisa pior e resolver o problema sem muita discussão.
Afinal, são os temidos gatos. 


Tem até quem coma e ache graça.
Tem quem compre um gato de raça no Pet Shop e pague muito dinheiro por ele e depois enoje e solte na rua, esquecendo-se que eles nunca tiveram que caçar para comer, foram criados para ser compania.
Há quem faça isso com seus cães também.
Eu nunca tinha tido um cachorrinho para chamar de meu, até que comprei a Pucca, minha Maltesa.
Eu não entendia o amor servil que os cães nos dedicam.


Também não sabia que eles eram quase como crianças.
Tenho muito amor por ela também e não entendo quem solte na rua, dê veneno, abandone preso um animal que só quer agradar.
Mas infelizmente é o que mais tem. 
Gente ruim que gosta de maltratar os animais, seja lá de quem for.
Tem quem goste de matar passarinho, que voa livre pelo céu, sem amolar ninguém.


Tem quem ache normal, soltar o bicho, que antes era de estimação e se transformou em estorvo.
Há quem conte vantagem de não ter nojo de comer gato.

Gato é igual a vaca e vaca a gente come, 
né ?
Come, infelizmente, come.




Quem sabe um dia não precise mais comer e deixemos elas malhadinhas no campo só fazendo figuração para paisagem bucólica.
Mas gato, ninguém come, só os corajosos.
Aí eu pergunto: e gente você também come?
Há...não tem nada a ver.
Uma coisa é gato e outra é gente.
Se bem que alguns por aí até comeriam se não fosse o tabu.
Enfim, não importa, tudo é carne. É só uma questão de costume e bom senso.
O triste não é a piada sem graça, mas o descaso com a Vida em geral.


Fico é boba de ver quantas pessoas amam seu animais e depois esquecem, como se esquece uma roupa que saiu de moda.
Então por favor se você se importa, castre e mantenha seu animais em casa, seguros e longe de gente ruim.
Assim como a gente faz com nossas crianças, mantém elas longe do perigo.
Se bem que há quem não se importe com suas crianças e não se importe com ninguém.





Há quem crie gatos e cachorros para vender e não tem o menor amor neles.
São só mais um produto, como vacas e galinhas.
Quando não servem mais, ficam relegados, aprisionados.
E quem compra também não é muito melhor, querem filhotes. Adultos, nem de graça.
Mesmo sendo de raça e com pedigree.
É usado.

Pois bem, eu também já comprei gatos e cachorros.
Mas eu adoro, são minha alegria e cuido deles como se fossem minha família.
Me dá um momento de remorso, contribuir com essa fabrica de animais objeto.
Mas aí eu penso: antes eu do que ficar por aí sem dono.



É mesmo um paradoxo.
De certa forma, os gatis e canis contribuem para o controle da procriação dos Pets. 

Desde que vendam filhotes castrados, como andam fazendo agora.
É certo que se cobre muito. É muito caro manter uma criação de animais de raça.
Quem sabe se quem pagou muito dê mais valor?







Mas a gente sabe que não é bem assim.
O certo e ideal é educar, a castração é o maior bem que se pode fazer para um animal criado dentro de casa.
Só se deve permitir que seus animais acasalem se tiver para quem delegar a responsabilidade de cuidar deles ou se tiver condições de cuidar de toda prole.
Vale para os sem raça também.
Eu adotei dois gatinhos de rua.
Uma apareceu na porta de casa, esfomeada e toda machucada.
Tem umas figuras por aí que sabem que eu adoro gatos e ficam soltando filhotes na minha porta.
Lógico que não posso ficar com todos e tenho que arranjar alguém para cuidar do filhote, mas a Pantera me cativou e Ela decidiu ficar, e ficou.



O outro, a veterinária que cuida da Pucca achou jogado na calçada de sua casa e cuidou dele que só tinha alguns dias de vida.
Sobreviveu e veio parar aqui em casa.
Tenho dois que nasceram em casa, terceira geração de gatos meus.
Tem dois que adotei já adultos, antigas matrizes de Gatis.
Tem a Kiwi que comprei e paguei muito caro por ser de uma raça exótica.
Todos tem meu amor incondicional, não importa de onde e como vieram parar na minha vida.
Por isso acho que devemos focar a discussão dos maus tratos como uma questão de ética.
Pensar no que é melhor para eles,  fazer leis que façam com que gente ruim não os maltrate.
Dói muito pensar no que fazem com essas criaturinhas por aí.


Enfim , faço um apelo:

Amem seus animais e pense neles com respeito.
Se detesta bichos, tenha compaixão por quem gosta e vai ficar muito infeliz de ter seu Pet maltratado .
Se detesta gente, procure um psiquiatra!
Se nem o psiquiatra ajudar, faça uma reza, uma oração, quem sabe Deus tenha pena de você, que não tem pena de ninguém.
Desculpem o mau jeito, mas infelizmente a vida é assim.



andrea.gaia





















Copyrights_@andrea.gaia: Todas as fotos pertencem ao meu arquivo pessoal, sendo rigorosamente proibida a utilização comercial dos mesmos.

Copyrights_@andrea.gaia: Photos of the personnel file is expressly prohibited commercial use of the same.

domingo, fevereiro 14, 2010

O Castelo Encantado

Howl's Moving Castle





O Castelo Encantado
Hayao Miyazaki, 2004

Bom... quando me proponho a escrever, pesquiso antes a história do cineasta e do filme.

É assim que acabo descobrindo coisas interessantes e relevantes sobre a película.
O meu objetivo aqui não é apenas fazer uma sinopse, mas uma reflexão.
Explicações à parte, vamos ao Castelo Animado!

Essa animação em estilo clássico 2D, aquarelada e linda foi desenhada quase que totalmente pelo animador japonês Hayao Miyazaki, que tinha 64 anos a época da animação.

Formado Economia pela Universidade Gakushuin-Tóquio, começou a interessar-se por histórias e a desenhar participando de um clube de pesquisadores de histórias infantis da Universidade.

Não tinha experiência em desenhar pessoas, apenas fazia desenhos de aviões e aeronaves.

Depois de formado arranjou um emprego de intervalador, cuja função é animar com as guias enviadas pelos animadores-chefes, na Toei Animation-Tóquio.

Em 1982 escreveu e desenhou seu primeiro mangá o Nausicaä of the Valley of the Windque virou uma série de animação de sucesso provocando a criação do Studio Ghibli.
Depois veio a parceria com a Disney, que passou a fazer a distribuição dos filmes do estúdio pelo mundo, facilitando ao Ocidente o acesso à seus filmes.

O Castelo Animado foi produzido pelo estúdio Ghibli e a animação foi baseada no livro “Howl's Moving Castle, da escritora inglesa Diana Wynne Jones.

Conta a história de Sophie, que trabalha em uma chapelaria e busca desesperadamente uma forma de quebrar o feitiço lançado, por ciúmes, pela Bruxa Nada que a transformou em velha para sempre.

Esta busca leva Sophie a se deparar com o espantalho enfeitiçado Cabeça de Nabo e o castelo do mago Howl todo sujo e bagunçado. Sem ter muito pra onde ir e sem saber quem era o proprietário do castelo passa a morar e limpar o lugar.

Nesse castelo ela conhece o demônio Calcifer, que vive na lareira e movimenta o Castelo com sua magia. Ele promete desfazer o feitiço da Bruxa Nada se Sophie conseguir desfazer o feitiço que o prende ao Mago Howl.

Sophie descobre que o dono do Castelo é o belo jovem que um dia a ajudou se livrar dos oficiais do exército que tentavam aproveitar-se dela no caminho para casa de sua irmã e que foi o motivo pelo qual a Bruxa das Terras Desoladas lançou o feitiço do envelhecimento.
Ela não conta para ele quem é e diz ser a nova faxineira do castelo.

O Mago, atormentado pelo rei e por sua antiga mestra Madame Suliman, não presta muito atenção na nova “faxineira” e segue escondendo-se com o Castelo por diversos lugares com o intuito de desafiar o rei e não participar da guerra.

O resto é história pra ver e apreciar.

O interessante do filme, além dos maravilhosos desenhos, é o realismo fantástico típico dos animes japoneses e a sutil crítica à guerra e ao egoísmo que destrói vidas e sociedades.


É um desses filmes imperdíveis... só vendo pra crer.




andrea.gaia
















domingo, fevereiro 07, 2010

Depressão, um Mau Moderno?

Depression, a Modern Evil?



Penso nisso às vezes.
Porque tantas pessoas hoje em dia têm depressão?

  Copyright by © 2010_andrea.gaia All rights reserved
Seria fruto da pressa?
Das muitas promessas de sucesso fracassadas?
Hormônios de mais na comida?
Comida de mais e exercício de menos?
De qualquer forma, esse é um assunto que eu entendo.      
                                                                                                                                     Copyright by © 2010_andrea.gaia All rights reserved
Tenho Transtorno do Pânico e quando ele ataca vêm a Depressão.
Mais essa doença, agora bem estudada e compreendia me acompanha desde que sou criança, nasci com ela.
Não foi o tédio, nem algum acontecimento traumático.
Apenas nasci com um parafuso a menos!
A crise de Pânico é uma situação debilitante, a gente sente que perdeu o controle do corpo, das emoções, sente-se preso em algum quarto escuro da mente observando seu corpo fazendo o que quer, sem você conseguir controlar nada.
A consciência é apenas um observador triste, que sem poder reagir, vê, escuta, sente e se encolhe pois já não controla mais nada.
É como aquelas histórias maravilhosas e malucas do  Stephen King, meu escritor favorito, onde o personagem se vê preso dentro de sua mente enquanto seu corpo foi tomado por alguma força maligna.
E é assim!
"Os sintomas físicos de uma crise de pânico aparecem subitamente, sem nenhuma causa aparente. São como uma preparação do corpo para alguma "coisa terrível". A reação natural é acionar os mecanismos de fuga. Diante do perigo, o organismo trata de aumentar a irrigação de sangue no cérebro e nos membros usados para fugir — em detrimento de outras partes do corpo."
A adrenalina é excretada em níveis alucinantes que se traduz em vertigem, escurecimento da visão, sensação de desmaio.Formigamento nas mãos , pés e boca, tremores das extremidades, seguido de espasmos musculares tremores nas pálpebras, pescoço, tórax e braços,dificuldade para abertura dos olhos,dor torácica, contratura das mãos, cãibras,boca seca e falta de ar.Aumento dos batimentos cardíacos, medo incontrolável e irracional.
Um desequilíbrio na produção destes neurotransmissores pode levar algumas partes do cérebro a transmitir informações e comandos incorretos.
Portanto, com se pode ver é mesmo como se você fosse tomado por uma força maligna e ficasse refém dela.
Durante as crises a gente  ainda sente a chamada despersonalização, que é a sensação de estar desligado do mundo como se, na verdade, estivesse sonhando e também a desrealização que é um estado onde  a pessoa preserva o senso de realidade apesar de ter uma sensação de que o que está vendo não é real.
Ou seja, é um filme de terror ao vivo e a cores.
Talvez o meu querido Stefhen King sofra desse mau e por isso tenha elaborado essas histórias de terror que retratam tão bem e de forma lúdica uma crise de pânico.
Depois de tudo isso, que atire a primeira pedra quem não entre em Depressão.
A vergonha do descontrole, o medo da crise...
Bom, mas isso é uma doença e não tristeza!
Tomando o tal remedinho pra cabeça, fica tudo bem- And No More Crises, Thanks God.
Então, não entendo porquê, tantos amigos , conhecidos e alguns desconhecidos notórios ficam deprimidos sem ter uma doença pra justificar.
Mentira, entendo sim!
Eu também já tive minhas crises existenciais e tristezas que nada tinham a ver com o Pânico.
Parece que hoje se você não for eternamente jovem, bonito e bem sucedido você não é nada.
by Copyright © 2009_andrea.gaia 
Se você não conseguiu o trabalho dos sonhos, o príncipe encantado antes dos 30 é um ser humano de segunda categoria, não tem valor.
Muito embora hoje as pessoas, pelo menos as de melhor condição social, só comecem a trabalhar depois dos 30 e morem com os pais até bem mais que isso por não terem um emprego que lhes forneça conforto idêntico ao que já tem, a pressão fica.
Não sei se isso é bom ou ruim, depende de cada caso.
Mas se a gente considerar que a expectativa de vida tende chegar aos 100 anos, a maturidade deve chegar lá pelos 50!
Exageros à parte, lógico , acho que a gente começa a definir quem somos e o que queremos lá pelos 35 a 40 anos.
São fatos do mundo moderno, independentemente de juízos de valor.
Apesar dessa realidade, muitos de nós se sente perdido, incompreendido, injustiçado. 
Puxa, eu já passei de tal idade e ainda não fiz nada de importante, não encontrei o Amor Ideal, o Trabalho dos Sonhos e tenho que ficar aqui, me contentando com a Mediocridade.
Dai vem a tal Depressão Psicológica, comportamental, que nada, nada mesmo, tem há ver com a doença Depressão.
Não há remédio neste mundo que resolva.
É crise existencial, é a dor de ser comum. Como se isso fosse a pior coisa do mundo, ser igual!
Mas eu te pergunto: quem nessa vida é igual?
Não é porque você tem aquele emprego que não é a maravilha do século, o sonho de consumo realizado, que você é pior ou menos afortunado.
Fazer o que gosta é uma das coisas mais difíceis de se conseguir, poucos fazem.
Mas gostar do que faz, é uma questão de atitude e bom senso. 
  Copyright by © 2010_andrea.gaia                                                                       
É querer ser feliz, é ser feliz sem precisar de nenhum fator externo.
E o Amor...esse então é a causa de tanto sofrimento e tristeza.
Há, você não encontrou sua alma gêmea seu incompetente!
Mas encontrou um bom companheiro de vida, uma pessoa com quem compartilhar.Ou não encontrou ninguém com quem quisesse compartilhar.
Isso não é sinal de fracasso.
A gente pode ter como companheiro de vida, um amigo, um parente, um Ideal.
Como podem ver, tudo nessa vida é relativo.
A felicidade independe de fatores externos.
É mais uma questão de amor próprio, de conhecer seu lugar no mundo, de ser humilde diante do Universo.
Todos somos Parte e ninguém por mais famoso que seja é uma Parte a mais, apenas uma Parte diferente.
Ser humilde e aceitar o seu lugar na vida não significa ser conformista, de jeito nenhum.                                           
   
Significa encontrar o seu lugar no mundo e saber que ele é importante, que você faz parte de algo Maior, independentemente de religião, filosofia, idade, condição social.
Amar é saber se amar.
Invista em qualidade de vida, invista em auto-estima, em amigos de verdade.
Invista na Verdade.
Querer ser quem você não é só traz angustia e dor.
Querer parecer algo que você não é só vai te fazer tropeçar e ser muito infeliz.
Na verdade todo mundo se sente atraido por uma pessoa feliz e sorridente, simpática e gentil.
Todo mundo quer ficar perto de alguém assim.
É leve, é alegre, alivia o tédio.
Quer coisa mais triste do que a famosa pergunta: Como você vai? E a criatura resolve debulhar toda sua amargura em cima do infeliz, que tentando ser gentil acaba virando um pinico para toda a amargura do mundo.
Então, remédio para depressão existencial existe e se chama auto-estima.
Qualidade de vida ajuda muito e ela é mais uma questão de vontade do que de dinheiro.
Respeite seu corpo, respeite os outros, respeite o meio ambiente.
Procure o melhor no pior, ria de si mesmo.

Tenha esperança, ame a Vida. 
Ela é única e incrivelmente interessante.
Basta olhar com carinho os acontecimentos do seu dia-a-dia.

 andrea.gaia

 Copyright by © 2010_andrea.gaia All rights reserved

Don't Worry Be Happy!

 

 

 

                                                           Bob Marley

Don't Worry Be Happy

Não Se Preocupe, Seja Feliz



Here's a little song i wrote,Aqui está uma pequena canção que eu escrevi
You might want to sing it note for note,Você pode querer cantá-la nota por nota
Don't worry, be happyNão se preocupe, seja feliz


In every life we have some trouble,Durante toda a vida nós temos algumas dificuldades
When you worry you make it doubleQuando você se preocupa, você a faz dobrar
Don't worry, be happyNão se preocupe, seja feliz


Dont worry be happy nowNão se preocupe, seja feliz agora




Dont worry be happyNão se preocupe, seja feliz
Aint got no place to lay your head,Ainda que não tenha um lugar para por sua cabeça
Somebody came and took your bed,Porque alguém veio e levou sua cama
Don't worry, be happyNão se preocupe, seja feliz


The landlord say your rent is late,O proprietário diz que seu aluguel está atrasado
He may have to litigate,Ele pode exigir a liquidação
Dont worry (small laugh) be happy,Não se preocupe (pequeno riso) seja feliz


Look at me im happy,Olhe para mim. Eu estou feliz.
Don't worry, be happyNão se preocupe, seja feliz


I give you my phone number,Eu lhe dou o meu número de telefone
When your worried, call me,Quando você estiver preocupado, me chame
I make you happyEu faço você feliz


Don't worry, be happyNão se preocupe, seja feliz


Ain't got no cash, aint got no style,Ainda que você não tenha dinheiro, ainda que não tenha nenhum estilo
Ain't got no girl to make you smileAinda que nenhuma garota lhe dê um sorriso
But don't worry, be happyNão se preocupe, seja feliz


Cause when you worry, your face will frown,Quando você se preocupa, seu rosto fica carrancudo
And that will bring everybody down,E isso derruba todo mundo
So don't worry, be happyAssim, não se preocupe, seja feliz


Don't worry, be happy now...Não se preocupe, seja feliz agora


Don't worry, be happyNão se preocupe, seja feliz



Now there this song i wroteAgora, essa canção que eu escrevi
I hope you you learned it note for noteEspero que você a tenha aprendido nota por nota
Like good little childrenComo boas crianças


Dont worry be happyNão se preocupe, seja feliz


Listen to what i sayEscute o que lhe digo
In your life expect some troubleEm sua vida, espere alguma dificuldade
When you worry you make it doubleQuando você se preocupa, você a faz dobrar
Dont worry be happyNão se preocupe, seja feliz
Be happy nowSeja feliz agora


Dont worry, be happyNão se preocupe, seja feliz


Don't worry, don't worry, don't do it,Não se preocupe, não se preocupe, não faça isso
Be happy,put a smile on your face,Não se preocupe, ponha um sorriso em seu rosto
Don't bring everybody down like thisNão derrube todo mundo com seu baixo astral


Don't worry, it will soon pass whatever it is,Não se preocupe, tudo o que é ruim passa logo
Don't worry, be happy,Não se preocupe, seja feliz